Spiga

Oráculos


"Não consigo ver o o seu futuro, mas sou muito boa com generalidades vagas e meias verdades irrelevantes
."


Desde sempre que os seres humanos se sentiram tentados a prever o futuro, ou a consultar quem se lhes afigurasse capacitado para tal. Os agricultores esperam saber que tempo fará durante o ano, os políticos e os generais rodeiam-se de conselheiros supostamente capacitados para adivinhar os movimentos dos adversários, as raparigas casadoiras querem saber quem será o seu "príncipe encantado", os ambiciosos querem saber se ganharão a lotaria, etc..

Pessoas insuspeitas, de trato cordato, bons cidadãos, frequentam astrólogos e cartomantes, quiromantes e leitores de folhas de chá. nas televisões e nas rádios, em início de ano, os oráculos abundam, vêm anunciar sucessos desportivos e catástrofes meteorológicas, casamentos e separações de actrizes e futebolistas.
É um isto de entretenimento e conforto psicológico, o que advém das tentativas de espreitar para o futuro.

Na Grécia Antiga, era especialmente famoso o Oráculo de Delfos. Oráculos eram pessoas, ou também lugares, em que se profetizava. No Grego Antigo, profetizar significava "falar em lugar de".
O Oráculo de Delfos era um lugar em que se procurava sabedoria. Por toda a parte havia pensamentos afixados, tais como "nada demais" (uma declaração contra os excessos) ou "conhece-te a ti mesmo", que viria a ser adoptada por Sócrates. Terá sido o Oráculo de Delfos a encorajar o filósofo Sócrates a ensinar.

No Antigo Testamento, durante o Êxodo do povo Judeu, encontramos também a presença de conselheiros supostamente capazes de prever o desenlace de conflitos e negociações.

E o que tem o Espiritismo a dizer acerca das previsões e das actividades que as rodeiam?

Parece fora de dúvida que é possível haver seres humanos capazes de captar intuições do mundo espiritual que lhes façam entrever o futuro. Os profetas, aqueles que falavam sob influência dos Espíritos, muitas vezes referiam-se a acontecimentos vindouros. De tal forma que profeta passou a ser considerado um sinónimo de pessoa capaz de prever o futuro.

Na obra A Génese, de Allan Kardec, a segunda parte é dedicada aos milagres e às predições. A filosofia espírita procura aí, através da experiência e dos ensinamentos dos Espíritos Superiores, dar uma explicação racional para factos aparentemente prodigiosos e fora da ordem natural das coisas.
Consideramos, contudo, que o futuro a Deus pertence, e que ao Homem não é dado, de um modo geral, perscrutar o porvir. daí que o Espiritismo não se ocupe com tais coisas, e muito menos prometa ou comercialize previsões de qualquer tipo.

A actividade de astrólogos, cartomantes, e outros profissionais da mesma área, é uma realidade, é um hábito social com raízes muito antigas, e parece estar aí para continuar.
Melhor que ninguém, os legisladores saberão regulamentar o seu exercício. Considera quem escreve estas linhas, que é um direito inalienável dos cidadãos, acreditarem ou não nas virtudes e na eficácia da cartomancia ou da astrologia, e pagarem por esse tipo de serviços, se assim o entenderem. Desde que não haja da parte do profissional tentativa de aproveitamento da fragilidade ou credulidade do consulente, e que fique bem claro a natureza dos serviços oferecidos, consideramos que cada um é livre de adquirir, por exemplo, a sua carta astral, ou de pagar a quem lhe deite as cartas.

No Espiritismo, repetimos, não há absolutamente lugar a tais práticas, ou qualquer tipo de previsões ou de adivinhação. Dentro do respeito por todas as formas de pensar, o Espiritismo apresenta uma proposta de explicação para a possibilidade de se poder, dentro de certos limites, saber acontecimentos futuros. Só isso.

Partilhe este artigo:

3 comentários:

rogerssampaio

8.7.09

Eu acho que a previsão do futuro é possível no sentido da alteração do ponto de vista. Vejam por exemplo o caso da meteorologia, que todos os dias tenta "prever o futuro" do tempo que irá fazer, e é uma ciência oficial.

Então o que se passa é que alguns médiums que recebem comunicações premunitórias, recebem-nas de entidades que estão em um outro ponto de vista, que podem fazer um diagnóstico diferente do que nós que estamos aqui podemos fazer, uma comparação grosseira seria o observador meteorológico na crosta e o satélite no espaço. Os dois observam o mesmo fenômeno, mas com pontos de vista diferentes.

Conhecendo-se a corrente de um rio, sabemos onde ele irá parar. O mesmo acontece com as massas de ar na atmosfera e com as vidas das pessoas.

Claro que o nível de complexidade dos acontecimentos aumenta e não podemos comparar um acontecimento de um sistema físico de leis estabelecidas, com a vida de uma pessoa que acima de tudo tem o seu livre arbítrio e está envolvida no livre arbítrio de outras pessoas. Isso torna a predição do futuro improvável para nós e muito difícil para simples entidades desencarnadas dizerem com certeza absoluta o que irá acontecer. Mesmo na meteorologia, com toda tecnologia envolvida, modelos falham previsões.

Mas é possível dizer-se: "Se aquela pessoa continuar a caminahar pro precipício ela irá cair".

Por isso que toda predição do futuro não é nada mais do que um conjunto de conclusões empíricas sobre um determinado sistema. Podem estar mais certos ou mais errados de acordo com os elementos que dispomos para fazer tal predição.

E de resto tudo se resumirá em percentagens de erro e acerto.

Não há verdade absoluta quando estamos a lidar com vidas e o no fim quem decidirá sempre somos nós.

André

8.7.09

Inteiramente de acordo, Rogers. E expôs muitíssimo bem o tema.

No nosso artigo, e visto que este é um blogue de divulgação, procurámos sobretudo esclarecer que a actividade do Espiritismo não é a de fazer previsões, embora seja um facto comprovado que há pessoas dotadas de capacidade para as fazer, dentro de certos limites.

Valdemagno

3.8.09

Metendo meu bedelho, eu vejo da seguinte forma as previsões dos oráculos: de um lado, um conselho sobre determinada situação e, de outro, a fotografia do que foi planejado ou do que, como se disse anteriormente, decorrer logicamente da atitude tomada anteriormente.
bjs e abs,
Magno

Enviar um comentário