Spiga

Existem Feiticeiros, Maus-Olhados, Bruxarias? - 5



E afinal, existem feiticeiros?

Existem hoje, como existiram, sacerdores de religiões mágicas, em certas culturas, que merecem o qualificativo de mago, bruxo ou feiticeiro, sem qualquer conotação negativa.

Nas sociedades tribais que ainda hoje existem, podemos constatar a existência dessas pessoas, que praticam a Magia, ou culto dos deuses. As suas funções não raro incluem a de médicos tradicionais, possuindo por vezes grandes conhecimentos sobre as virtudes terapêuticas das plantas. Também não é invulgar serem pessoas dotadas de mediunidade, e estabelecerem por isso contacto com os Espíritos, função que se revela útil nos destinos do povo a que pertencem.
Esses são os verdadeiros magos. Os personagens que se apresentam actualmente com anúncios de jornal, e que se atribuem poderes, muitos anos de experiência, e que prometem prodígios, são, regra geral, apenas charlatães. Poderão possuir faculdades mediúnicas, mas isso não garante que ninguém seja honesto!

É por aí que geralmente ganham a confiança do cliente, que julga que, se a pessoa em questão"adivinha" isto ou aquilo, será capaz também de lhe resolver todos os problemas. Não é assim.

Em O Livro dos Espíritos, na questão 555, Allan Kardec questiona os Espíritos:

555. Que sentido se deve dar ao qualificativo de feiticeiro?

E, em diversas partes do mundo, médiuns diversos receberam a mesma resposta:

— Esses a que chamais feiticeiros são pessoas, quando de boa-fé, que possuem certas faculdades como o poder magnético ou a dupla vista. Como fazem coisas que não compreendeis, as julgais dotadas de poder sobrenatural. Vossos sábios não passaram muitas vezes por feiticeiros aos olhos dos ignorantes?

Comentário de Kardec: O Espiritismo e o magnetismo nos dão a chave de uma infinidade de fenômenos sobre os quais a ignorância teceu muitas fábulas, em que os fatos são exagerados pela imaginação. O conhecimento esclarecido dessas duas ciências, que se resumem numa só, mostrando a realidade das coisas e sua verdadeira causa, é o melhor preservativo contra as idéias supersticiosas, porque revela o que é impossível, o que está nas leis da Natureza e o que não passa de crença ridícula.

Partilhe este artigo:

2 comentários:

Cátia O.

21.2.09

Olá, André.
Começo por agradecer os textos que escreveu sobre o tema "Existem Feiticeiros, Maus-Olhados, Bruxarias?".
Racionalmente, concordo com tudo o que escreveu. No entanto, sabe que a razão humana não domina todas as áreas de conhecimento. Por essa razão, tento ter uma mente aberta e curiosa, mesmo para questões aparentemente absurdas, como é o caso do mau-olhado. Actualmente, é quase vergonhoso admitir que acreditamos neste tipo de coisas, ficamos imediatamente rotulados de ignorantes, medievais, etc. É evidente que, nestes assuntos, há sempre muito fantasia e embuste, mas será só isso?
A vida ensinou-me que a maldade humana é ilimitada e que há pessoas capazes de cometer atrocidades. Essa pessoas podem ser os nossos familiares, "amigos", vizinhos, etc. Afinal, é raro conhecermos a verdadeira identidade de alguém e, infelizmente, tudo é possível.
Talvez seja ignorância da minha parte, mas acredito que aquilo que desejamos, de bom ou de mau, para nós e para os outros, tem algum poder. Vamos imaginar uma situação de doença física de alguém próximo: acredito que se rezar e desejar fervorosamente que a pessoa vença a doença, estou a dar um contributo positivo. Acredito que os bons sentimentos e pensamentos, quando são verdadeiros, são uma força positiva e poderosa. Infelizmente, acredito que o contrário também é válido. Obviamente, não culpo ninguém por falhas ou insucessos pessoais, no entanto há acontecimentos estranhos. Se no espaço de um mês, alguém que visivelmente não gosta de mim e tenta prejudicar-me, força constantemente situações para me oferece comida (chegando a usar justificações patéticas) e eu, que sou uma pessoa saúdavel, adoeço 3 vezes por razões diferentes...Sobretudo, vindo de alguém que, visivelmente, é um espírito pouco evoluído porque é invejosa, egocêntrica, conflituosa e até cruel! Talvez seja uma infeliz coincidência, mas confesso que pondero todas as hipóteses...
Da mesma forma que as boas pessoas acrescentam coisas maravilhosas á minha vida, as pessoas más prejudicam e trazem o mal.
Devo dizer-lhe que não acredito em amuletos, mezinhas ou rituais. Contudo, acredito que rezando por mim e por ela, para que os nossos espirítos evoluam e encontrem o seu caminho, já me estou a proteger da energia negativa que ela transmite. Se á maldade dos outros, respondermos com bondade e tolerância verdadeiras, será protecção suficiente. Na minha opinião, o amor a Deus e aos outros, é o melhor "amuleto". A protecção mais eficaz é procurar incansávelmente Deus dentro de nós e, dessa forma, criar uma barreira para tudo o que mau. Temos de acreditar que nada é mais forte do que a presença de Deus nas nossas vidas e que, com Ele, estamos sempre protegidos.
Com amizade,
Cátia.

André

21.2.09

Olá Cátia O.,

O post a seguir a este fala da situação dos que podem prejudicar alguém pelos maus pensamentos que dirigem a essa pessoa. Isso existe, sem dúvida. O Livro dos Espíritos aborda essa questão.
E também existe quem tente fazer outras pessoas comer preparados que acreditam vir a ter efeitos mágicos negativos, mas que na realidade podem é fazer a pessoa adoecer. E muitas mais manifestações de primarismo, maldade e ignorância...

Mas, como diz, o melhor amuleto é pagar o mal com o Bem.
E não esquecermos, também, que não há que ter medo. Nesses casos, o medo é a porta aberta para que o querer de quem nos quer mal nos atinja.

Abraço amigo,

André

Enviar um comentário